A culinária com música é a união perfeita para inserção das pessoas na sociedade. Qual pessoa que não gosta de estar no clima gastronômico de forma leve e descontraída?

O projeto ‘Batuque na Cozinha’, desenvolvido pelo Instituto Olga Kos (IOK) proporcionará essa experiência, a partir da utilização de utensílios domésticos e embalagens. A música é altamente inclusiva, impacta diretamente tanto quem toca ou canta, como quem assiste, sem limites de sexo, gênero ou idade. 

“A pesquisa criativa do projeto teve seu enfoque na cozinha enquanto coração de uma comunidade ou casa. Por esse motivo, o nome escolhido como conceito e provocador do projeto é: PULSAR: A cozinha como o coração da casa”, comenta Gustavo Paulino, Supervisor Artístico e Metodológico do instituto. 

(Audiodescrição da imagem: a imagem mostra oito pessoas, sendo sete adultos e uma criança, de mãos dadas em um roda)

“Tomamos como ponto de partida nessa atividade, a história de nascimento do samba de roda na Bahia e sua difusão pelo Sudeste dentro das casas das “Tias Baianas”, mais especificamente, na cozinha. Na passagem do século XIX para o século XX, já no Rio de Janeiro, era comum que as festas acontecessem dentro das casas dessas tias, com rodas de chorinho na sala de estar e o samba de partido alto no fundo das casas, na cozinha ou terreiros. A precariedade e disponibilidade de instrumentos musicais tradicionais fez com que utensílios de cozinha servissem para compor canções, reunir pessoas e desenvolver novos ritmos e formas de cantar e dançar. Toda essa situação serviu como inspiração durante a escrita do planejamento artístico-pedagógico da equipe multidisciplinar dessa atividade”, completou.

As oficinas serão realizadas no Centro Cultural Santo Amaro, zona sul de São Paulo, duas vezes por semana nos próximos 10 meses de forma gratuita. Ao final do projeto, haverá uma apresentação aberta para toda a comunidade acompanhar tudo que foi desenvolvido nas oficinas. Clique aqui para saber mais: https://bit.ly/3SwTQa1